A oração ao Senhor nos salva dos nossos “Getsêmanis” pessoais

A oração ao Senhor nos salva dos nossos “Getsêmanis” pessoais

Catequese do Papa Francisco – 17 Abril 2019

 

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

Nestas últimas semanas estamos refletindo sobre a oração do “Pai Nosso”. Hoje, às vésperas do Tríduo Pascal, nos detenhamos em algumas palavras com as quais Jesus, durante a sua Paixão, rezou ao Pai.

A primeira invocação acontece depois da Última Ceia, quando o Senhor, ao levantar os olhos ao Céu disse: “Pai, chegou a hora: glorifica o seu Filho – e depois – me glorifica diante de você com aquela Glória que eu tinha junto de você antes que o mundo existisse” (João 17, 1.5). Jesus pedia a glória, um pedido que parece paradoxal, já que a Paixão está às portas. De qual glória se trata? A glória indica a revelação de Deus, é o sinal distintivo da sua presença salvadora entre os homens. Agora, Jesus é aquele que manifesta de modo definitivo a presença e salvação de Deus. E o faz na Páscoa: levantado na Cruz é glorificado ( Joao 12, 23-33). Ali Deus finalmente revela sua glória: tira o ultimo véu e nos surpreende ainda mais. Descobrimos realmente que a glória de Deus é toda Amor: amor puro, louco e impensável, muito além de qualquer limite e medida.

Caros irmãos e irmãs, façamos nossa oração a Jesus: peçamos ao Pai que tire os véus dos nossos olhos para que nesses dias, olhando o crucifixo, possamos acolher o fato que Deus é Amor. Quantas vezes o imaginamos patrão e não Pai, quantas vezes pensamos que ele é juiz severo, muito mais que Salvador misericordioso! Mas Deus, na Páscoa, zera as distâncias e se mostra na humildade de um amor que pede o nosso amor. Nós, então, o damos glória quando vivemos tudo o que fazemos com amor, quando fazemos cada coisa de coração, por Ele (Col 3, 17). A verdadeira glória é a do amor, porque é a única que dá vida ao mundo. Sim, esta glória é o contrário da glória mundana, que vem quando se é admirado, louvado, aclamado: quando eu estou ao centro da atenção. A glória de Deus, pelo contrário, é paradoxal: nada de aplausos, nada de audiência. Ao centro não está o “eu”, mas o “outro”: na Páscoa vemos que o Pai glorifica o Filho enquanto o Filho glorifica o Pai. Nenhum glorifica a si mesmo. Podemos nos perguntar: “Qual é a glória pela qual vivo? A minha ou aquela de Deus? Desejo só receber dos outros ou quero também doar aos outros?”

Depois da Última Ceia Jesus entra no jardim do Getsêmani e também reza ao Pai. Enquanto os discípulos não conseguem estar acordados e Judas está chegando com os soldados, Jesus começa a sentir medo e angústia. Sente toda a angústia por aquilo que o espera: traição, desprezo, sofrimento, falimento. Esta triste e ali, no abismo da desolação dirige ao Pai a palavra mais terna e doce “Abba”, Paizinho! Na dor, Jesus nos ensina a abraçar o Pai porque na oração a Ele está a força de seguir adiante nas dores, nas fadigas a oração é alivio, conforto. Quando foi abandonado por todos, na desolação interior Jesus não está sozinho, está com o Pai. Nós, ao contrário, nos nossos “Getsêmani” geralmente escolhemos permanecer sozinhos ao invés de dizer “Pai” e confiar-nos, como Jesus, à sua vontade, que é sempre para o nosso verdadeiro bem. Mas quando nas provas permanecemos fechados em nós mesmos cavamos um túnel dentro de nós, um doloroso percurso contrário, que tem uma única direção: sempre mais fundo em nós mesmos. O maior problema não é a dor, mas como a enfrentamos. A solidão não nos oferece vias de saída; a oração sim, porque é relação, confiança. Jesus se confia ao Pai, dizendo a Ele o que sente, se apoiando nele durante a luta. Quando entrarmos nos nossos “Getsemanis” (todos nós temos esses momentos duros) devemos nos recordar de rezar assim: “Pai”.

Enfim, Jesus dirige ao Pai uma terceira oração por nós: “Pai, perdoa-os, porque não sabem o que fazem” (Lc 23, 34). Jesus reza por quem foi mal com Ele, por seus assassinos. O evangelho específica que esta oração acontece no momento da crucificação. Era provavelmente o momento da dor mais aguda, quando os pregos eram enfiados nos pulsos e nos pés. No ápice da dor chega ao culmine o amor: chega o perdão, ou seja, o dom a enésima potencia, que desfaz o círculo do mal.

Caros irmãos e irmãs, rezando nestes dias o Pai Nosso possamos pedir uma destas graças: de viver os nossos dias para a Glória de Deus, ou seja, com amor; de saber nos confiar ao Pai nos momentos difíceis; de achar, no encontro com o Pai, o perdão e a coragem de perdoar. As duas coisas andam juntas, o Pai nos perdoa, mas nos da a coragem de perdoar. Obrigado!

Tags: oração, orasaun